terça-feira, 27 de setembro de 2016

PANDA - O URSO QUE PARECE DE PELÚCIA


PANDA-GIGANTE
Com seu focinho curto, a pelagem preta e branca e o jeito pacífico e bonachão, lembrando um urso de pelúcia, ele é um dos animais mais queridos pela humanidade. Extremamente dócil e tímido, dificilmente ataca o homem, a não ser quando extremamente irritado.
O panda-gigante é um mamífero onívoro da família dos ursos, natural da República Popular da China

Urso panda, fofo como uma pelúcia
Urso panda - fofo como uma pelúcia

Características do panda-gigante

pandas raramente são agressivos
Ursos panda dóceis e tímidos
O panda-gigante é um mamífero que come bambu (folhas) de cor preto e branco. A pelagem é grossa e lanosa para suportar as baixas temperaturas no ambiente subalpino em que vive. As manchas oculares, membros, orelhas e uma faixa que atravessa os ombros são negras; alguma vezes com um tom amarronzado. O restante do corpo é branco, mas pode se tornar "encardido" com a idade. A população da região de Qingling apresenta a pelagem em dois tons contrastantes de marrom.

Dieta e hábitos alimentares do panda-gigante

Pandas consomem até 14 k de alimento por dia
Panda bonachão - consome até 14 kg de bambu por dia.
Apesar de pertencer à ordem dos Carnívoros e ter um sistema digestivo e genético de carnívoro, o panda possui hábitos herbívoros, alimentando-se quase que exclusivamente das folhas de bambus. O panda gigante consome, em média, de 9 a 14kg de bambu por dia , mas devido à pouca absorção de nutrientes, característica de seu sistema digestivo ineficiente, ele precisa passar a maior parte do dia comendo e se exercitando pouco. Pandas podem se alimentar de 25 diferentes espécies de bambus, mas a devastação das florestas limitou-os a pouca variedade em lugares mais íngremes, elevados e isolados da Ásia central. As folhas e os brotos de bambus são ricas em proteínas. Apesar de manterem as presas, garras, capacidade digestiva e força para caçar pequenos mamíferos, aves, peixes e ovos, pandas raramente o fazem. Sua digestão de celulose depende de sua flora intestinal, sendo sua genética desfavorável.

Ainda que o bambu seja rico em água (40% de seu peso, chegando a 90% no caso de brotos), o panda bebe frequentemente água de riachos ou neve derretida.
Em cativeiro sua dieta consiste em bambu, cana-de-açúcar, mingau de arroz, biscoito especial rico em fibras, cenoura, maçã e batata-doce.

Comportamento e ecologia

Pandas não hibernam
Os pandas gigantes são geralmente solitários. Cada adulto tem um território definido e as fêmeas não são tolerantes com outras fêmeas em seu território. Pandas se comunicam através de vocalização e marcam território aranhando árvores e urinando nas suas fronteiras. O panda gigante é capaz de escalar e usar como refúgio árvores ocas ou fendas de rochas, mas não estabelece tocas permanentes. Por esta razão, os pandas não hibernam, o que é semelhante ao hábito de outros mamíferos subtropicais da região, que preferem se deslocar para regiões e altitudes com temperaturas mais quentes. Ao contrário do que se pensa, os pandas não são dóceis, eles podem apresentar comportamento agressivo, sendo, então, muito perigosos . Pandas utilizam mais da memória espacial do que da memória visual.

Reprodução

Ao dar a luz a dois filhotes, a mãe opta por criar apenas um.
A época de reprodução dá-se na Primavera, quando os machos competem pela fêmea fértil. A gestação é em média de 135 dias. Normalmente nascem um ou dois filhotes. Devido à natureza frágil e delicada dos ursinhos, a mãe opta por criar um único filhote. O filhote rejeitado é abandonado à morte. O desmame dá-se com um ano de idade, mas o panda já é capaz de ingerir o bambu em pequenas quantidades desde os seis meses. O intervalo entre as ninhadas é de dois anos ou mais.

Somente 10% dos pandas em cativeiro conseguem cruzar naturalmente. Apenas 30% das fêmeas engravidam. Mais de 60% dos pandas cativos não demonstram qualquer desejo sexual.

A expectativa de vida de um panda é de 13 anos. Em 2005, Basi, uma ursa panda chinesa, comemorou 25 anos de idade, que se comparam a 100 anos humanos. No mesmo ano, uma fêmea chamada Meimei morreu aos 36, equivalentes a 108 anos humanos, no jardim zoológico da cidade de Guilin.

Conservação

Uma espécie vulnerável
O panda-gigante encontra-se na lista de espécies vulneráveis
A baixa taxa de natalidade, a alta taxa de mortalidade infantil e a destruição de seu ambiente natural colocam o panda sob ameaça de extinção. A caça não representa problemas devido às rígidas leis chinesas. Em 1995, um fazendeiro foi sentenciado a prisão perpétua por ter atirado em um panda. No ano seguinte, dois homens foram condenados a morte após serem presos portando peles de panda e macaco-dourado. A partir de 1997 passou-se a punir os infratores com uma pena de 20 anos de prisão.

Armadilhas para cervos-almiscarados e ursos-pretos muitas vezes acabam ferindo pandas.
O número de pandas selvagens na China está estimado em 1.596. Existem 183 pandas-gigantes em cativeiro na China e outros 20 espécimes se encontram distribuídos pelos principais zoológicos do mundo.
O panda-gigante encontra-se na lista das espécie vulneráveis e não mais ameaçada por causa do aumento da população e dos esforços de conservação.

Urso panda-gigante na árvore
Os pandas habitam as florestas temperadas montanhosas com densos bambuzais, principalmente do gênero Sinarundinaria, entre altitudes de 1 200 a 4 100 metros de altitude. A distribuição sobrepõe-se em muito a do urso-negro-asiático (Ursus thibetanus), entretanto, eles não competem entre si, pois as necessidades ecológicas das espécies são diferentes.



Ficha técnica
Altura 65 - 70 cm
Comprimento 120 - 150 cm
Cauda ~13 cm
Peso 75 - 160 kg
Tamanho de ninhada 1 - 2
Gestação 97 - 163 dias
Desmame 8 - 9 meses
Maturidade sexual 5,5 - 6,5 anos (machos)
Longevidade 34 anos (em cativeiro)


(Fonte: wikipédia)

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Calendário de vacinação contra raiva, para cães e gatos da Cidade do Rio, RJ

UTILIDADE PÚBLICA

Começou hoje, 26 de Setembro, a campanha vacinação contra a raiva em cães e gatos da Cidade do Rio de Janeiro e se estenderá até o dia 02 de Dezembro.
Mas atenção: A cada semana, a vacinação ocorrerá em uma determinada região da cidade, sempre das 9h às 16h. 

A raiva pode matar, tanto os animais de estimação quanto seus donos, e vacinar cães e gatos é a única maneira de controlar a doença. Vale ressaltar que esta vacinação é gratuita. 

Confira as datas e locais de vacinação:


Vacinação contra raiva

 Do dia 26 até o dia 30 de setembro, haverá 15 pontos de vacinação espalhados pelos bairros de Santa Cruz, Paciência, Sepetiba. De 3 a 7 de outubro, a vacinação acontece na AP 5.2, nos bairros de Guaratiba, Pedra de Guaratiba, Inhoaíba, Cosmos, Campo Grande e Santíssimo.

 Do dia 10 a 14 de outubro a vacinação ocorrerá nos bairros de: Bangu, Senador Camará, Vila Kenedy, Realengo, Jardim Bangu, Padre Miguel e Sulacap.

No período de 17 a 21 de outubro, a vacinação será nos bairros: Itanhangá, Barra da Tijuca, Recreio dos Bandeirantes, Curicica, Gardênia Azul, Tanque, Taquara, Jacarepaguá, Anil, Cidade de Deus, Praça Seca, Vila Valqueire, Vargem Grande e Vargem Pequena.

De 24 a 28 de outubro, será nos bairros:  Campinho, Cavalcanti, Osvaldo Cruz, Marechal Hermes, Cascadura, Costa Barros, Parque Anchieta, Pavuna, Guadalupe, Honório Gurgel, Fazenda Botafogo e Barros Filho.

O último dia de outubro e o primeiro dia de novembro ficam reservados para os bairros:  Cachambi, Engenho de Dentro, Engenho Novo, Méier, Rocha, Sampaio e São Francisco Xavier.

No período de 8 a 11 de novembro , a vacinação acontece nos bairros:  Ramos, Maré, Brás de Pina, Cordovil, Parada de Lucas, Vigário Geral, Jardim América, Penha, Penha Circular, Ilha do Governador, Galeão, Portuguesa e Jardim Guanabara.

De 14 a 18 de novembro, nos bairros:  São Cristóvão, Vasco da Gama, Andaraí, Vila Isabel, Tijuca, Alto da Boa Vista e Grajaú. 

No período de 21 a 25 de novembro, a vacinação será nos bairros:  Largo do Machado, Flamengo, Laranjeiras, Botafogo, Leme, Copacabana, Gávea, Rocinha, São Conrado e Vidigal.

E, de 28 de novembro a 2 de dezembro, os bairros: Centro, Cidade Nova, Rio Comprido, Bairro de Fátima, Santa Teresa, Estácio, Santo Cristo, Caju e Estácio, encerrarão a campanha de vacinação no Rio.

Confira os endereços completos em:
http://prefeitura.rio/documents/4144698/0506539f-6f07-40a8-a81d-eb56fc5ad604

 Após o término da campanha, a vacinação vai continuar em dois postos permanentes, que ficam no Instituto de Medicina Veterinária Jorge Vaitsman, localizado na Av.Bartolomeu Gusmão, 1120, em São Cristóvão, e no Centro de Vigilância e Fiscalização Sanitária em Zoonoses Paulo Dacorso Filho, localizado no Largo do Bodegão, 150, em Santa Cruz.
Para maiores detalhes, verificar em : 1746 ou http://www.rio.rj.gov.br/web/vigilanciasanitaria/exibeconteudo?id=6428927.

Quem ama o pet, vacina


Cuidados  na hora de levar os pets para vacinar:

Por medida de segurança os cães devem ser levados aos postos em coleiras.
Na hora da vacinação, os cães deverão estar com coleira e guia, e os gatos em sacolas de pano ou em gaiolas apropriadas. Animais com temperamento agressivo devem estar com focinheira.

Sintomas como dores no local vacinado, febre e comportamento mais quieto do animal podem ocorrer por até 36 hS após a aplicação. As vacinas são repassadas pelo Ministério da Saúde, responsável pela aquisição.

O que é a raiva?

A raiva é uma doença que compromete o sistema nervoso do homem, sendo incurável e com índice de letalidade próximo a 100%. É uma zoonose viral e todos os mamíferos estão suscetíveis ao vírus da raiva, podendo transmiti-la. Mas cães, gatos e morcegos são os principais transmissores. A vacina é a única maneira de controlar a doença.

Segundo a Prefeitura do Rio, a raiva está sob controle há mais de 25 anos no Rio, mas ainda oferece risco à população, pois a cidade conta com um número alto de morcegos, cachorros e gatos, principais transmissores do vírus.

O que fazer se for mordido por uma animal?

Caso uma pessoa seja mordida por um desses animais, deve lavar o local machucado imediatamente, com água e sabão. Ao mesmo tempo, deve-se procurar a unidade de saúde mais próxima, onde receberá os primeiros cuidados e será encaminhada para uma das unidades especificas que funcionam como polo de profilaxia da raiva. Se possível, isolar o animal por 10 dias, para ver o grau de manifestação da doença, e informar se tem dono e o endereço onde habita.


(Fonte da informação:  Prefeitura do Rio de Janeiro)


COALA - SAIBA TUDO SOBRE ESSE MAMÍFERO FOFO E RARO


Diferente do que alguns pensam, o coala não é um urso, mas sim um marsupial. Ele, assim como o canguru, gambá e o diabo da tasmânia, é um  mamífero que carrega seus filhotes em uma espécie de bolsa abdominal. 

COALA
Sedentário, devido a seu metabolismo extremamente lento, o coala dorme de 18 a 22 horas por dia.
Quando não está se alimentando, acasalando ou escapando de algum predador, ele está dormindo. Vida mansa a dele!

Natural da Austrália, o coala encontra-se em via de extinção desde o início da colonização inglesa, quando surgiu o hábito de matá-los para usar sua pele. Hoje, a caça não é o maior risco mas sim as queimadas nas florestas, que matam muitos animais, e a eliminação das árvores onde vivem, tanto por queimadas quanto por lenhadores. Ao perder a sua casa e alimento, o coala muda-se e pode chegar a povoamentos ou cidades, onde morre por atropelamento ou é caçado por cães.


Características
Coala adormecido
Dependendo do local onde vivem a sua pelagem adapta-se, nos eucaliptais tropicais do norte a sua pelagem é mais curta acinzentada, e nos eucaliptais temperados do sul a sua pelagem é mais longa e castanha.
O coala tem a cabeça pequena, o focinho curto e os olhos bem separados. O nariz é grosso e achatado, e está munido de grandes narinas em forma de V, com as fossas nasais muito desenvolvidas, que mexem no seu equilíbrio térmico.

A pelagem é densa e sedosa, desempenha papel importante na regulação térmica e na proteção dos agentes atmosféricos. Como o coala não constrói um abrigo, dorme exposto ao sol e à chuva. A pelagem do dorso é muito densa e de uma coloração escura que absorve o calor. Torna-se mais escassa durante o verão e mais comprida durante o inverno.

Coala com filhote na bolsa
Tanto os membros anteriores como os posteriores possuem cinco dedos. O polegar das patas posteriores é bastante pequeno, não sendo dotado de garras. Os outros dedos são fortes e terminam em garras alongadas. Nas patas posteriores, apenas o polegar é oposto aos outros dedos.

Possui um bom equilíbrio e músculos possantes nas coxas, e quando escala uma árvore, a falta de cauda é compensada pelos dedos bastante largos e pelas garras muito desenvolvidas.

O intestino grosso, onde, por meio de fermentação bacteriana, se dá a digestão da celulose, é muito desenvolvido. O ceco, situado no início do intestino grosso, pode atingir 2,5 metros de comprimento. Além disso, possui na parede do estômago uma glândula complexa dita cardiogástrica que desempenha papel importante na digestão. A cloaca tem três funções: serve para o acasalamento, para urinar e defecar.



Reprodução
A época de reprodução dos coalas dura cerca de quatro meses. Neste período, os machos sexualmente maduros exploram o seu território, atraindo as fêmeas no cio, e enchem o local de marcas odoríferas, emitindo simultaneamente um som semelhante a um mugido. As fêmeas demonstram em geral grande agressividade com relação aos machos, os quais repelem violentamente. O acasalamento, que dura alguns segundos, dá-se em posição vertical sobre um galho de eucalipto.

Mamãe e bebê coalas
Depois que terminada a conjunção, os companheiros se separam. O macho não se ocupa do sustento do filhote: tal função compete à fêmea, que só tem uma gestação por ano e geralmente só dá luz a um filhote (muito raramente dois). A gestação dura em média 35 dias.

filhote de coala
O coala é muito pouco desenvolvido ao nascer. Pesa apenas 0,5 g e tem menos de 20 mm de comprimento. O corpo é nu, cor-de-rosa e raiado de vasos sanguíneos; os olhos e os ouvidos estão fechados; a boca, as narinas e as patas posteriores são apenas um esboço. Somente as patas anteriores são suficientemente robustas para lhe permitir executar sozinho o fatigante trajeto até a bolsa ventral da genitora e ali permanecer agarrado a uma das duas mamas.

Por volta dos cinco meses e meio, a cria começa a sair do seu tranquilo abrigo, mas não se afasta muito da mãe e, ao primeiro sinal de perigo, torna a entrar ou então emite uma espécie de vagido.

A permanência fora do refúgio vai aumentando e, aos 8 meses, torna-se definitiva. A partir daí, o jovem só enfia a cabeça no marsupial quando tem de mamar. Durante as peregrinações noturnas, a mãe ainda o transporta sobre o dorso.

Eucalipto

O coala vive aos pares, subindo em árvores, com atos semelhantes ao da indolente preguiça. Isso lhe valeu o nome de "ursinho-da-austrália". Na língua dos indígenas locais, Koala significa "animal que não bebe". De fato, este marsupial, é bastante abstêmio: mata a sede com apenas o suco oleoso das folhas de eucalipto, praticamente o único vegetal que come.

Coala no eucalipto 
Na Austrália existem 600 espécies de eucaliptos. Estas árvores são muito importantes para a fauna do continente australiano,  sobretudo, para o coala.




Predadores
O coala tem poucos predadores, o mais importante é o Canis dingo - um cão selvagem - que mata os coalas velhos ou doentes, pois um adulto de boa saúde pode feri-lo gravemente. Os aborígenes caçam tradicionalmente o coala, que é uma presa fácil por causa dos seus hábitos sedentários e devido aos seus movimentos lentos. Quando pressente um perigo vindo do solo, o animal tem o costume de se esconder em vez de fugir. O coala é indispensável no regime alimentar dos aborígenes.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Pastor-alemão - Temperamento, características, origem...

Pastor alemão
Pastor alemão
Temperamento
O Pastor Alemão é um dos cães mais inteligentes e é muito dedicado à sua missão. É uma raça muito versátil, devotado, leal e fiel aos donos. Se dá bem com outros animais domésticos. Eles são cães calmos e ficam ainda mais calmos depois de adultos, com 2 anos de idade. Não é um cachorro medroso, adora receber carinho e elogios da família. É um cão vigilante e alerta e pode ser um pouco reservado com estranhos. Se não deseja tê-lo pra guarda, acostume-o desde cedo à presença de visitas e pessoas que ele não conheça. É muito atento e tem um olfato invejável, por isso é muito usado pela polícia, sendo até chamado de “cão policial”. Na polícia ele é usado para ataque, rastrear drogas, buscar corpos em escombros e localizar pessoas desaparecidas. O Pastor Alemão tem mais o perfil de defesa do que de ataque. Não deve ser criado pra atacar, pois pode se tornar muito violento. É uma raça que se dá bem com crianças e idosos, são pacientes e tranquilos. Importante acostumarem desde cedo à presença de crianças e pessoas mais velhas.


Pastor-alemão ou lobo-da-alsácia (em alemão: Deutscher Schäferhund) é uma raça canina proveniente da Alemanha. Em sua origem era utilizado como cão de pastoreio de rebanhos. Atualmente é mais utilizado como cão de guarda e companhia.
É considerada umas das raças mais numerosas e estudadas no mundo.

Histórico
Provável descendente de cães pastores do noroeste deste país europeu cruzados com lobos da região, o pastor alemão teve seu primeiro exemplar registrado no século XX, pelo aposentado da cavalaria alemã chamado Max von Stephanitz. Propagandeados como mensageiros, batedores e carregadores, serviram ao exército alemão na Primeira Guerra Mundial, chamando a atenção dos exércitos inimigos, que levaram alguns exemplares consigo ao fim da guerra. Popularizados nos Estados Unidos e Reino Unido, tornaram-se celebridades da tv e do cinema, figurando em produções cinematográficas como Rin-Tin-Tin.

Na década de 1970, já visto como um dos caninos mais difundidos do mundo, o pastor alemão começou a passar por cruzamentos levianos, que geraram animais problemáticos e mais propensos as doenças comuns da raça, como a mielopatia degenerativa e a displasia coxofemoral.

Um pastor alemão adulto.
Atualmente, o pastor alemão é visto como o cão policial e militar mais bem sucedido do mundo, representando lealdade, agilidade, cautela e amizade. Embora esteja disputando espaço com o Pastor belga malinois.
É ainda bem sucedido como animal de pastoreio, provas de obediência como Schutzhund, localização e agilidade, guarda residencial e pessoal, já que seu adestramento não representa dificuldade para donos experientes.

Características físicas
O pastor-alemão é um cão de porte médio a grande, os machos possuem entre 60 e 65 cm na altura da cernelha e pesam entre 34 e 43 kg.
Sua pelagem, de sub-pelo denso e duro, varia nas cores: castanho com capa preta, preto e castanho, totalmente preto, e cinza.
Pastor alemão preto
Dentro das características do cão Pastor Alemão encontramos as seguintes cores permitidas. Excetuando o branco, todas as cores são permitidas no cão Pastor Alemão: preto, cinza-ferro, cinza ou unicolor ou com partes marrom, amarelo, bege e cinza claro, capa-preta e todas as suas variações. Em todos esses tipos, uma pequena mancha branca no peito não é sinal de defeito.
O sub pelo é, com exceção dos animais pretos, sempre levemente coloridos (cinza claro). O focinho deve ser negro em todas as variações. Falta de máscara, olhos claros, unhas claras e ponta da cauda vermelha são considerados debilidade de pigmentação.

A cor cinza tem distintas descrições segundo diferentes pontos de vista. Todas as variações devem ser consideradas cinza.

A pelagem branca, apesar de estar fora do padrão oficial, por exemplo, não é tão incomum, e em 2002 foi reconhecida pela FCI como uma nova raça separada em virtude dos esforços de criadores suíços . Sendo considerado como pastor branco suíço.

Nome original
Deutscher Schäferhund
Outros nomes
Lobo-da-alsácia
País de origem
 Alemanha
Características
Peso macho
35-43 kg
Peso fêmea
25-35 kg
Altura macho
60-65 cm na cernelha
Altura fêmea
55-60 cm na cernelha
Expectativa de vida
9-13 anos


(Fonte: Wikipédia)


segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Cão lobo checoslovaco

Cão lobo checoslovaco

. História
. Temperamento
. Características físicas

O Cão lobo tchecoslovaco (em tcheco: Československý vlčák) é uma raça canina originária da Tchecoslováquia (Atual República Tcheca e Eslováquia). Considerada relativamente nova, surgiu a partir de 1955 do cruzamento entre um pastor-alemão e uma loba da cordilheira dos Cárpatos.

Cão lobo tchecoslovaco

Cão lobo checoslovaco


No ano de 1955, foi realizada na CSSR (atual Tchecoslováquia), uma experiência biológica, onde se cruzou um cão da raça Pastor Alemão com uma loba da cordilheira dos Cárpatos. Este tipo de experiência demonstrou que era possível obter e criar uma descendência fértil tanto pelo cruzamento de um cão com uma loba, quanto de um lobo com uma fêmea canina. A maioria dos produtos destes acasalamentos possuía as aptidões genéticas necessárias para a continuação da criação. Em 1965, após o término das experiências, elaborou-se um plano de criação sistemática desta nova raça, que deveria unir as características do lobo com as qualidades favoráveis do cão. Em 1982, por meio do Comitê Geral dos Criadores Associados da CSSR daquela época, o Cão Lobo Tchecoslovaco foi reconhecido como raça nacional.

Temperamento

Cão lobo tchecoslovaco

Vívido, ativo, resistente, dócil com reações rápidas. Destemino e corajoso. Desconfiado. Demonstra uma excepcional fidelidade para com o seu dono. Resistente às intempéries. Cão de utilidade versátil. O Cão Lobo Checoslovaco desenvolve uma relação social muito forte não apenas com o seu dono mas também com toda a família. Inclusive eles admitem uma posição privilegiada às crianças e as deixam fazer determinadas ações que não permitiriam à adultos ou outros cães. Aprendem a coabitar com outros animais domésticos que já pertençam à família, contudo, se encontrarem animais desconhecidos podem ocorrer problemas. Possuí um forte instinto de caça. Aprende com facilidade, contudo não é de esperar que treine espontaneamente. É necessário encontrar uma motivação para o treino. A causa mais comum de falhas no treino é o cansaço do cão devido a inúteis repetições sem fim do mesmo exercício que acaba na perda de motivação. O lobo checo tem várias formas de se comunicar, o latido não é natural para eles, então tentam se comunicar com o dono de outras formas. É um cão rústico, forte e com sentidos apurados. Deve ser socializado e adestrado desde cedo.

Características físicas


Cão lobo tchecoslovaco
Pelagem reta e bem assentada. As pelagens de inverno e a de verão são bem distintas. No inverno predomina um imenso subpelo e junto com o pelo de cobertura, forma uma grossa pelagem sobre todo o corpo. As colorações comuns são do cinza-amarelado ao cinza-prateado com uma máscara clara característica. Pelos claros também na base do pescoço e no antepeito. A cor cinza escuro com máscara clara é permitida. Fisicamente, os machos devem possuir pelo menos 65 cm na altura da cernelha e pesar no mínimo 26 kg, podendo atingir cerca de 36 kg; as fêmeas devem possuir no mínimo 60 cm na altura da cernelha e pesar no mínimo 20 kg. Possui grande semelhança com o lobo.

Ficha técnica

Nome original
Československý vlčák
Outros nomes
Czech wolfdog
Cão lobo tchecoslovaco
País de origem
 Tchecoslováquia
Características
Peso macho
no mínimo 26 kg
Peso fêmea
no mínimo 20 kg
Altura macho
no mínimo 65 cm na cernelha
Altura fêmea
no mínimo 60 cm na cernelha
Cor
desde o cinza-amarelado ao cinza-prateado, com máscara clara
Classificação e padrões
Federação Cinológica Internacional
Grupo
1 - Cães pastores e boiadeiros (exceto boiadeiros suíços)
Seção

Utilizaçãoː Cão de trabalho

Aves - Tudo que as caracterizam

Aves

 

Aves são uma classe de seres vivos vertebrados endotérmicos caracterizada pela presença de penas, um bico sem dentes,oviparidade de casca rígida, elevado metabolismo, um coração com quatro câmaras e um esqueleto pneumático resistente e leve.

Águia
As aves estão presentes em todas as regiões do mundo e variam significativamente de tamanho, desde os 5 cm do colibri até aos 2,75 m da avestruz. São a classe de tetrápodes com o maior número de espécies vivas, aproximadamente dez mil, das quais mais de metade são passeriformes.

As aves apresentam asas, que são mais ou menos desenvolvidas dependendo da espécie. Os únicos grupos conhecidos sem asas são as moas e as aves-elefante, ambos extintos. As asas, que evoluíram a partir dos membros anteriores, oferecem às aves a capacidade de voar, embora a especiação tenha produzido aves não voadoras, como as avestruzes, pinguins e diversas aves endêmicas insulares.

Os sistemas digestivo e respiratório das aves estão adaptados ao voo. Algumas espécies de aves que habitam em ecossistemas aquáticos, como os pinguins ou a família dos patos, desenvolveram a capacidade de nadar.
Algumas aves, especialmente os corvos e os papagaios, estão entre os animais mais inteligentes do planeta.

Beija-flor
Algumas espécies constroem e usam ferramentas e passam o conhecimento entre gerações. Muitas espécies realizam migrações ao longo de grandes distâncias. As aves são animais sociais que comunicam entre si com sinais visuais, chamamentos e cantos, e realizam atividades comunitárias como procriação e caça cooperativa, voo em bando e grupos de defesa contra predadores.

A grande maioria das espécies de aves são monogâmicas, geralmente durante uma época de acasalamento e por vezes durante vários anos, mas raramente durante toda a vida. Outras espécies são polígamas ou, mais raramente, poliândricas. As aves reproduzem-se através de ovos, que são fertilizados por reprodução sexual e geralmente colocados num ninho onde são incubados pelos progenitores.

A maior parte das aves apresenta um período prolongado de cuidados parentais após a incubação. Algumas aves, como as galinhas, põem ovos mesmo que não sejam fertilizados, embora esses ovos não produzam descendência.
As aves, e em particular os fringilídeos de Darwin, tiveram um papel importante no desenvolvimento da teoria da evolução por seleção natural de Darwin. O registo fóssil indica que as aves são os últimos sobreviventes dos dinossauros, tendo evoluído a partir de dinossauros emplumados dentro do grupo terópode dos saurísquios.

Tucano
As primeiras aves apareceram durante o período cretácico, há cerca de 100 milhões de anos, e estima-se que o último ancestral comum tenha vivido há 95 milhões de anos. As evidências de ADN indicam que as aves se desenvolveram extensivamente durante a extinção do Cretáceo-Paleogeno que matou os dinossauros não avianos.
As aves na América do Sul sobreviveram a este evento, tendo depois migrado para as várias partes do mundo através de várias passagens terrestres, ao mesmo tempo que se diversificavam em espécies durante os períodos de arrefecimento global. Algumas aves primitivas dentro do grupo Aviala e datam do período Jurássico. Muitos destes ancestrais das aves, como o Archaeopteryx, não tinham plena capacidade de voo e muitos apresentavam ainda características primitivas como mandíbula em vez de bico e cauda vertebrada.

Muitas espécies de aves têm importância econômica. As aves domesticadas (de capoeira) e não domesticadas (de caça) são fontes importantes de ovos, carne e penas. As aves canoras e os papagaios são animais de estimação populares. O guano é usado como fertilizante. As aves são um elemento de destaque na cultura. No entanto, desde o século XVII que cerca de 120 a 130 espécies foram extintas devido à ação humana e várias centenas foram extintas nos séculos anteriores. Atualmente existem 1 375 espécies de aves ameaçadas de extinção, embora haja esforços no sentido de as conservar. A observação de aves é uma atividade importante no setor do ecoturismo.

A capacidade de voar proporcionou às aves uma diversificação extraordinária, pelo que hoje em dia vivem e reproduzem-se em praticamente todos os habitats terrestres e em todos os sete continentes. O petrel-das-neves nidifica em colônias que já foram observadas a distâncias de 440 km do litoral da Antártida.  A maior biodiversidade de aves tem lugar nas regiões tropicais. Anteriormente, pensava-se que esta maior diversidade era o resultado de uma maior velocidade de especiação nos trópicos. No entanto, estudos mais recentes verificaram que a especiação é superior nas latitudes mais elevadas, embora a velocidade de extinção seja também superior à dos trópicos. Várias famílias de aves evoluíram para se adaptar à vida nos oceanos. Algumas espécies de aves marinhas regressam à costa apenas para nidificar e alguns pinguins são capazes de mergulhar até 300 metros de profundidade.

Águia
Regra geral, o número de espécies que se reproduz em determinada área é diretamente proporcional ao tamanho dessa área e à diversidade de habitats disponíveis. O número total de espécies está também relacionado com factores como a posição dessa área em relação às rotas de migração e ao número de espécies que aí passam o inverno.
Na Europa a oeste dos montes Urais, incluindo grande parte da Turquia, vivem cerca de 540 espécies de aves. Na Ásia vivem 2 700 espécies, o que corresponde a 25% da avifauna mundial, e só na Rússia vivem cerca de 700. Em África vivem cerca de 2 300 espécies. Em todo o continente americano vivem cerca de 4 400 espécies, embora em alguns países da América central e do sul haja mais de mil espécies. A Costa Rica é a região com maior número de espécies em relação ao tamanho, com cerca de 800 conhecidas numa área de apenas 51 000 km2.

Muitas espécies de aves estabeleceram o seu território nas regiões em que foram introduzidas pelo ser humano. A introdução de algumas espécies foi deliberada, como por exemplo o faisão-comum, que foi introduzido em todo o mundo como ave de caça. Outras introduções foram acidentais, como o periquito-monge que atualmente está presente em várias cidades norte-americanas como consequência de fugas de cativeiro. Algumas espécies, como a garça-boieira,  o gavião-carrapateiro e a cacatua-galah expandiram-se muito para além do seu território inicial de forma natural, à medida que a agricultura foi criando novos habitats.

Garça
Em comparação com outros vertebrados, as aves apresentam um corpo com diversas adaptações invulgares e únicas que lhes permitem voar, mesmo que sejam apenas estruturas vestigiais ou que sejam usadas para deslocação terrestre ou aquática.
Embora haja várias particularidades ósseas e anatômicas exclusivas das aves, a presença de penas é a mais proeminente e distintiva característica das aves. As aves possuem também um órgão único entre os animais, a siringe, que lhes permite produzir os cantos e chamamentos.
A pele das aves é praticamente ausente de quaisquer glândulas, à exceção da glândula uropigial que produz um óleo que protege e impermeabiliza as penas.

Aves
As aves são animais endotérmicos que mantêm uma temperatura de aproximadamente 41 °C, podendo ser ligeiramente inferior durante as horas de sono e ligeiramente superior durante os períodos de atividade intensa. As penas e, em algumas espécies, a gordura subcutânea, oferecem isolamento térmico. Como não possuem glândulas sudoríparas, o excesso de calor é dissipado pela respiração rápida que, em algumas espécies, pode chegar às 300 respirações por minuto. Algumas espécies são capazes de hibernar temporariamente.

Nas aves voadoras de maior dimensão, os ossos são permeados por cavidades de ar e o sistema respiratório é constituído por sacos de ar, o que contribui para diminuir o seu peso. O albatroz é a ave voadora com maior envergadura de asas, que pode atingir os 3,5 metros, enquanto o cisne-trombeteiro pode atingir os 17 kg de peso.
A menor ave é o colibri-cubano, que pode medir 5–6 cm de comprimento e pesar apenas 3 gramas.
Quando as aves perdem a capacidade de voar deixam de estar limitadas pelo peso, como é o caso da avestruz, que pode atingir os 2,75 metros de altura e pesar 150 kg
Órgãos das aves

(Fonte:wikipédia)